Boletim de Ocorrência sobre desaparecimento auxilia elucidação de homicídio em João Pessoa

Boletim de Ocorrência sobre desaparecimento auxilia elucidação de homicídio em João Pessoa

O registro de Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia de Polícia Civil teve contribuição relevante para a elucidação do homicídio que teve como vítima a comerciante Maria do Socorro Gomes Freitas dos Santos, 47, desaparecida desde o dia 15 de abril e cujo corpo foi encontrado dentro de sua própria casa no sábado (23), em João Pessoa. De acordo com o delegado Reinaldo Nóbrega, desde janeiro, a unidade policial é responsável pelo registro de pessoas desaparecidas na cidade e a procura pela unidade especializada levou à prisão do principal suspeito do crime, o genro da vítima, Cassiano Gonçalves Patrício, 19 anos.

 

“O trabalho de investigação foi iniciado logo após a filha da comerciante registrar o BO referente ao desaparecimento da mãe. Ela e o marido foram ouvidos para sabermos as últimas informações antes do suposto desaparecimento, e nesse momento já foram detectadas contradições na fala do genro. No dia 23, tivemos a informação de que o piso da dispensa da casa havia sido modificado, o que nos levou à localização do corpo, que foi removido do solo pelo Corpo de Bombeiros com o devido acompanhamento da Perícia Criminal”, explicou a autoridade policial. Cassiano foi preso no mesmo dia que o corpo foi encontrado por equipes da Delegacia de Crimes contra a Pessoa (Homicídios) da Capital e confessou o homicídio durante depoimento. O tio dele, Eduardo de Sousa Gonçalves, também foi preso por ocultação de cadáver. A ação teve o apoio da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).

 

Na delegacia, Cassiano contou que Maria do Socorro estava assistindo a televisão quando ele chegou por trás e tentou dopá-la com álcool. Como não deu certo, ele a sufocou e ela caiu, batendo a cabeça, o que a levou à morte. O suspeito ainda afirmou que naquele dia levou a esposa e o filho para a casa da mãe dele, a fim de ficar sozinho com Maria do Socorro e que, depois de matá-la, ainda levou R$ 150. “A motivação aponta para o fato de que Cassiano queria o dinheiro e bens da sogra. Ele e a esposa viviam na mesma casa que a vítima, com o filho, e não trabalhavam”, explicou a autoridade policial.

 

Cassiano foi preso em flagrante e indiciado por homicídio triplamente qualificado. Ele e o tio vão responder também por ocultação de cadáver. Ambos devem seguir para audiência de custódia ainda nesta segunda-feira (25), quando o procedimento de flagrante pode ser convertido em prisão preventiva.

O delegado Reinaldo Nóbrega frisou a importância do Boletim de Ocorrência no caso de desaparecimento de pessoas. “Não existe lapso temporal para que esse registro e o ideal é que ele seja feito o mais rápido possível, para que as investigações possam ser iniciadas. A Delegacia de Homicídios trabalha em regime de plantão, na Central de Polícia Civil em João Pessoa, e hoje é a unidade responsável pelo recebimento dessas ocorrências”, afirmou.