Homem suspeito de homicídio é preso com fuzil e material explosivo no distrito de São José da Mata

Homem suspeito de homicídio é preso com fuzil e material explosivo no distrito de São José da Mata
A Polícia Civil da Paraíba, por meio da Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio de Campina Grande, deflagrou a operação “Esplendor” e prendeu nesta terça-feira (10), no distrito de São José da Mata, José Raimundo Santos Neto, conhecido como Netinho, de 23 anos. Ele é apontado como o autor do assassinato de uma professora em maio deste ano que o teria denunciado à polícia por tráfico de drogas na região e é o chefe de uma organização criminosa que vinha atuando na região de Campina Grande.
 
 
Segundo o delegado Danilo Orengo, da DRF de Campina Grande, na casa de Netinho a polícia apreendeu um Riflle, uma espingarda 12 e um fuzil 762, além de aproximadamente um quilo de maconha. “Também conseguimos flagrar o criminoso preparando uma banana de dinamite para ser usada, provavelmente, na explosão de bancos. A prisão de Netinho só foi possível pelo trabalho minucioso de investigação realizado por nossos agentes. Conseguimos identificar a casa onde ele guardava o material e durante vários dias monitoramos o local para efetuar a prisão em flagrante”, disse.
 
Ainda segundo a autoridade policial, José Raimundo dos Santos Neto já era procurado pela prática de vários crimes na região de Campina Grande. Ele é suspeito de praticar vários assaltos a residências e estabelecimentos comerciais, além de explosão de bancos. “Além disso, o criminoso atuava como chefe de uma organização criminosa e comandava o tráfico de drogas em Campina e cidades vizinhas”, acrescentou.
   
José Raimundo dos Santos Neto é apontado como o homem que atirou e matou uma professora no dia 13 de maio deste ano. Segundo informações de moradores do distrito de São José da Mata, a professora estaria incomodada com a comercialização de drogas no distrito e teria denunciado o traficante à polícia. Ele ficou sabendo da denúncia e praticou o crime.
 
“Recebemos várias informações através de denúncia anônima. Havia mais de 25 denúncias contra José Raimundo no telefone 197 e isso foi importantíssimo para pedirmos a prisão preventiva dele e até mesmo pra prendê-lo em flagrante. Por isso, gostaria de dizer que a população deve continuar utilizando o disque denúncia, lembrando que o nome e a identificação do denunciante permanece totalmente em sigilo”, conclui o delegado Danilo Orengo.