Polícia Civil apreende armas e prende idoso que guardava em casa mais de 200 munições em Campina Grande

A Polícia Civil, em um trabalho integrado com a Polícia Militar de Campina Grande, prendeu nesta quarta-feira, 16, João dos Reis dos Reis Paiva, de 70 anos, que matinha em sua residência no bairro do Monte Castelo, um verdadeiro arsenal. Com o idoso foram apreendidas 16 armas de fogo, sendo 15 revólveres e uma pistola, além de mais de 200 munições e relógios.

Segundo a delegada Rúbia Cristiane, da 1ª Delegacia Distrital de Campina Grande, a polícia chegou ao alvo após receber informações da população através do Disque Denúncia, pelo telefone 197. “De posse de informações repassadas à Polícia, a equipe da 1ª Delegacia Distrital iniciou as investigações há alguns dias, e nesta quarta-feira deflagrou operação ‘Senhor das armas’, que culminou com a prisão do acusado e apreensão de 15 revólveres e uma pistola, alémde munições e relógios”, afirmou.

A polícia conseguiu apurar que as armas eram comercializadas e alugadas, para a prática de crimes, principalmente na Zona Leste de Campina Grande. Segundo a delegada, o idoso assumiu ser o proprietário do armamento, mas negou a prática dos delitos, alegando que há quatro anos havia deixado aquele tipo de comércio.

O armamento apreendido e o idoso foram apresentados à imprensa armamento na Central de Polícia de Campina Grande nesta quinta-feira, 17, e o delegado da 10ª Seccional de Polícia Civil, Iasley Almeida destacou a importante ação conjunta, rápida e eficiente das polícias, ressaltando a política de segurança que vem sendo adotada na repressão do crime em Campina Grande.

“Com o aumento no efetivo e a nova política que estamos adotando e o comprometimento das nossas equipes, os resultados começam a surgir, dando respostas rápidas à sociedade”, destacou a autoridade policial, destacando as diversas e exitosas ações em todas as áreas da cidade.

Ainda segundo o delegado Iasley Almeida, com a prisão de João dos Reis e a apreensão das armas espera-se a redução dos crimes praticados na cidade, além dos ilícitos patrimoniais e também os crimes contra a vida. “São pelo menos 16 armas tiradas de circulação e que eram usadas para práticas criminosas”, ressaltou.

A delegada Rúbia Cristiane garante que as investigações do casso não param por aí. “Outras informações serão levadas em consideração, inclusive a procedência das armas, tendo em vista que uma delas é registrada em nome de um policial militar de João Pessoa”, concluiu.