Polícia Civil prende em flagrante empresário do ramo de jóias suspeito de praticar golpe contra 20 pessoas

Polícia Civil prende em flagrante empresário do ramo de jóias suspeito de praticar golpe contra 20 pessoas

Uma ação conjunta das Delegacias de Defraudações e Falsificações (DDF) e Roubos e Furtos de Veículos (DRFVC) de João Pessoa, prendeu em flagrante na manhã dessa sexta feira (20) o empresário João Batista Cândido de Souza, 52 anos. Ele é suspeito de realizar de forma criminosa negociações de jóias e de desviar mais de 200 mil com a pratica do golpe. As investigações mostram que o empresário lesou mais de 20 vítimas só na Capital.

A polícia chegou até o suspeito quando investigava as denúncias feitas por sete vítimas. Elas procuram a Delegacia informando que compram jóias a João Batista que tinha uma loja no subsolo de um Shopping no bairro de Manaíra na Capital e que ele não entregou nos prazos determinados alegando atraso dos fornecedores. Depois de algumas tentativas frustradas de receber as jóias ou reaver o dinheiro pago ao empresário as pessoas desconfiaram que estavam sendo vítimas de um golpe.

Para fugir dos clientes o empresário fechou a loja no Shopping e alugou outra em um Empresarial no Retão de Manaíra. “Durante três meses João Batista enganou as pessoas negociando jóias e usando o dinheiro das vítimas para pagar dividas pessoais e se capitalizar porque o objetivo dele era fugir de João Pessoa. O destino do investigado era a cidade de São Paulo, a viagem estava marcada para esse sábado (21), mas conseguimos encontrar a casa dele e prende-lo” informou o delegado Lucas Sá.

Na casa do empresário que fica no bairro de Manaíra os policiais encontraram notas de concertos de jóias de várias vítimas e um par de alianças que foi deixada na loja dele para soldar. A polícia também recebeu denúncias de que o investigado entregou algumas jóias com peso e material inferior ao contratado pelos clientes. Durante o depoimento ele confirmou ter lesado 20 pessoas. João Batista foi encaminhado para a carceragem da Central de Polícia no Geisel e vai ser apresentado ao juiz da custodia que vai decidir se o investigado vai responder preso pelo crime de Estelionato.