Polícia prende em João Pessoa idosa suspeita de estelionato e falsificação de documentos

Polícia prende em João Pessoa idosa suspeita de estelionato e falsificação de documentos
A Polícia Civil da Paraíba, por meio da delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa, prendeu Maria Martha Sobral Silva, de 75 anos. Ela é suspeita do crime de estelionato, fraudes relacionadas à emissão de documentos falsos, abertura de contas bancárias e negociações diversas (locação de imóveis, negociação de veículos), praticadas em pelo menos em quatro Estados, já tendo sido condenada pela Justiça Criminal da Comarca de Natal (RN), desde o ano de 2012, estando foragida há mais de dois anos.
 
 
De acordo com o delegado titular da especializada, Lucas Sá, a presa é suspeita de agir em conjunto com o filho Fábio Vicente Sobral, médico oftalmologista da cidade de Patos (PB), destacando que os dois são suspeitos de terem desviado valores superiores a R$ 3.000.000,00 (três milhões), respondendo a processos criminais nos Estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás e no Distrito Federal (DF).
 
“A DDF passou a investigar os suspeitos há aproximadamente três meses, após denúncia do setor de identificação no Instituto de Polícia Científica (IPC) que resultou na prisão em flagrante do suspeito Fábio Vicente Sobral Silva, filho de Maria Martha, no último dia 5 de maio. Na ocasião da prisão de Fábio Sobral não foi verificado nenhum elemento que possibilitasse a prisão em flagrante de sua mãe, também suspeita de atuação.
 
No entanto, as investigações da DDF comprovaram a atuação reincidente dos dois suspeitos e a existência de sentença condenatória, com mandado de prisão em aberto, além de localizar a foragida da Justiça, dando cumprimento ao mandado de prisão preventiva. A suspeita será conduzida ao presídio feminino de João Pessoa, onde ficará à disposição da Justiça’, disse a autoridade policial.
 
 A suspeita foi presa na residência de familiares, no bairro do Geisel, na Capital. “Com ela, foram descobertas duas identidades em nome da suspeita, sendo a primeira em nome de Maria Martha Freire Sobral (possível identificação correta) e a segunda em nome de Maria Martha Sobral Silva (possivelmente falsa) destacando-se que, além do nome, há duplicidade de inscrição no CPF”, explicou o delegado Lucas Sá. A DDF diligenciará junto à Receita Federal, de maneira que a suspeita poderá responder, ainda, por outros crimes, além dos já investigados pela delegacia especializada.