Polícia prende foragido da Cadeia Pública de Pilar suspeito de praticar vários homicídios na região

Polícia prende foragido da Cadeia Pública de Pilar suspeito de praticar vários homicídios na região

Uma operação integrada, realizada na tarde desta quinta feira (31) pelos policiais civis da 9ª Delegacia Seccional de Itabaiana e policiais militares do 8º Batalhão, resultou na prisão de Rogério Francisco da Silva, 30 anos, fugitivo da Cadeia Pública de Pilar, no Agreste Paraibano. Rogério cumpria pena por homicídio e fugiu da cadeia em 2013, depois de serrar as grades da cela.

Várias buscas foram realizadas para tentar capturar o fugitivo, mas Rogério conseguia escapar dos cercos. Em algumas vezes, chegou a trocar tiros com a polícia. Por causa do grau de periculosidade, ele passou a ser um dos homens mais procurados pela polícia da região e, mesmo sabendo que estava sendo investigado, Rogério ainda teria assassinado mais duas pessoas, passando a ser investigado por seis homicídios.

A polícia chegou até ele depois de um levantamento realizado pelo Núcleo de Inteligência do 8º BPM. “O levantamento mostrou que Rogério estava no Sítio Pau a Pique, na zona rural do município de São José dos Ramos. Montamos a operação junto com os policiais civis e quando chegamos ao local encontramos a casa fechada, mandamos abrir e prendemos ele. A arma usada por Rogério para cometer os crimes estava na residência do pai dele, na cidade de Pilar”, falou o comandante do 8º BPM, major Beuttenmuller.

“Quando chegamos ao local, encontramos a mulher de Rogério trancada dentro de casa com as pernas feridas por vários golpes de faca. A mulher também tinha vários hematomas no rosto e no corpo marcas de espancamento. Segundo ela, os maus tratos começaram há cerca de dois meses e aconteciam na presença da filha dela, uma menina de seis anos. Levamos a vítima para ser ouvida na delegacia e depois a encaminhamos para o hospital”, disse o delegado seccional Hugo Helder.         

Durante o depoimento, ele confessou ter assassinado em dezembro de 2015 o tio da companheira dele. Agora, além de voltar para o presídio para cumprir penas pelos homicídios que já foi condenado, Rogério também vai responder por cárcere privado, Lei Maria da Penha, posse ilegal de arma e pelo homicídio que confessou. A polícia continua as investigações para encontrar as provas que liguem Rogério aos outros homicídios onde ele aparece como principal suspeito.