Polícia prende mais um suspeito de ter participado de morte de criança em Sumé

Polícia prende mais um suspeito de ter participado de morte de criança em Sumé

A Polícia Civil da Paraíba prendeu, nesta sexta-feira (16), mais um suspeito de ter assassinado uma criança de cinco anos de idade na cidade de Sumé, a 267 quilômetros de João Pessoa, num suposto ritual de magia negra. Segundo o delegado Yuri Givago, foi preso o ‘pai de santo’ Wellington Soares, conhecido como Edinho, que já havia sido apontado como suspeito pela própria mãe do garoto no início das investigações.

“A mãe afirmou em seu depoimento que havia um segundo pai de santo envolvido no caso. Nós investigamos e chegamos a Edinho, que teve sua prisão decretada e confessou participação no crime”, disse.

O ‘pai de santo’ foi levado para a delegacia de Monteiro, seccional que responde pela área onde ocorreu o fato, e deverá ser transferido para um presídio em João Pessoa, em data ainda a ser definida pela Justiça, conforme informações prestadas pelo delegado Yuri Givago.

Com mais essa prisão, a Polícia chegou a cinco suspeitos envolvidos no caso do menino de cinco anos que foi encontrado morto em um matagal na cidade de Sumé, Cariri paraibano, com o corpo aberto do pescoço até a altura da virilha. “As suspeitas de que o caso tinha a ver com rituais de magia negra foram confirmadas no decorrer das investigações, que começaram imediatamente após o corpo ter sido encontrado. Os próprios depoimentos da mãe, do padrasto e de pessoas conhecidas do casal apontaram para os rituais que são realizados em um terreiro que também era frequentado pelo padrasto da criança”, relatou o delegado.

O garoto estava desaparecido desde o último domingo (11), e na manhã desta terça-feira (13), foi encontrada pelo padrasto conhecido como  Daniel, em um matagal próximo à cidade de Sumé, no Cariri paraibano. De acordo com a versão do padrasto, ele saiu logo cedo para procurar o garoto e, ao perguntar a uma pessoa conhecida, foi informado que uma criança teria sido encontrada no matagal. Ao chegar ao local, se deparou com o enteado morto em uma vala e com o corpo totalmente aberto.