Notícias

Polícia Civil realiza webinário para debater defesa dos direitos da mulher

1 | 10
2 | 10
3 | 10
4 | 10
5 | 10
6 | 10
7 | 10
8 | 10
9 | 10
10 | 10
BANNER TRASMISSÃO - webnario 2-01.jpg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (2).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (15).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (1).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (4).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (7).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (11).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (12).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (13).jpeg
WEBNARIO - VIOLENCIA CONTRA MULHER (14).jpeg

Os desafios da proteção aos direitos da mullher foram debatidos por delegados e promotores de Justiça durante um webinário promovido na manhã desta sexta-feira (11) pela Polícia Civil da Paraíba.

O evento teve transmissão em tempo real pelo canal oficial da corporação (www.youtube.com/policiacivilpb).

Entre os palestrantes, esteve a subprocuradora da República,

Raquel Dodge. Ela foi a procuradora geral da República entre os anos 2017 e 2019.

Durante a palestra, Raquel abordou assuntos ligados aos direitos civis das mulheres, como a liberdade de pedir o divórcio e sair de relacionamentos violentos. Também destacou a participação feminina na política e em cursos superiores. Segundo ela, a emancipação econômica e social da mulher é uma forma de combater a violência doméstica.

"Os direitos não foram dados às mulheres, mas conquistados em uma luta que deixou muitas mortas e feridas. Quando uma mulher se emancipa, consegue se defender melhor da violência", afirmou.

O subprocurador da República, Luciano Mariz e o promotor do Distrito Federal, Thiago Pierobon, também participaram do evento virtual.

Pierobon destacou a importância das medidas protetivas para a segurança da vítima de violência doméstica. Citando leis, ele explicou que a mulher pode receber o benefício, mesmo sem apresentar provas da violência sofrida e sem a instauração do inquérito policial.

"A Medida Protetiva não busca punir o agressor, mas sim proteger a mulher. Ela protege pessoas e não processos", esclareceu.

"Se a mulher diz que está sofrendo violência e não quer processar o agressor, mas apenas uma ordem para que ele se afaste, a lei entende que a declaração dela é suficiente para a concessão do benefício", destacou.

O evento foi encerrado com a palestra da delegada geral adjunta da Polícia Civil da Paraíba, Cassandra Duarte. Ela abordou a lei do feminicidio, que entrou em vigor em 2015, com penas mais rigorosas para combater a violência contra mulheres.

A delegada destacou a classificação de feminicídios necessita investigação e análise das informações coletadas durante o inquérito policial.

Ela ainda afirmou que os policiais são os primeiros agentes públicos que ajudam as vítimas a sair da situação de violência doméstica.

"Ninguém procura a delegacia porque está em plena felicidade. Pelo contrário. O policial está ali preparado para atender vítimas dos mais diversos crimes", observou.

"No âmbito da violência doméstica, o policial tem a oportunidade de ajudar a vítima a sair daquela situação, seja por meio do seu atendimento, por acionar os demais órgãos envolvidos na rede de proteção ou por meio das estatísticas que darão base a políticas em defesa da mulher ", afirmou.

As delegadas Renata Matias e Anny Karoline Maciel foram as mediadoras do webinário.

O evento foi organizado pela Coordenação das Delegacias de Atendimento à Mulher da Paraíba (Coordeam/PB) e Academia de Ensino da Polícia Civil da Paraíba (Acadepol/ PB). E faz parte das ações da Polícia Civil de enfrentamento à violência doméstica na Paraíba.

 

Assessoria de Imprensa. Polícia Civil da Paraíba